Afinação vocal: preciosismo ou necessidade?

Tempo de leitura: 8 minutos

 

ana-editada-postGostaria de retomar um assunto que já discuti aqui no blog: “O quanto a afinação vocal impecável é algo realmente imprescindível ao cantor”.

Esse assunto gera tanto incomodo entre os cantores que ninguém suporta a possibilidade de “dar algumas notas na trave” de vez em quando.

E se alguém que não canta ousar em dizer que a pessoa desafina, será um tremendo insulto: “Como uma pessoa que não canta pode dizer que desafinei?”

Muitas vezes vemos nossos ídolos cantando notas não muito precisas e tentamos justificar o ocorrido ou aproveitar a situação para dizer: “Se até ele (ou ela) desafina, por que eu não poderia?”

Vejam que ótimo este post do Blog “Papo de Homem” sobre celebridades que amamos e que não são assim exímios cantores:

http://papodehomem.com.br/os-13-melhores-cantores-desafinados-de-todos-os-tempos/

Da lista do autor do autor o “oconcour” é Lou Reed, ouçam e tirem suas conclusões:

Muitas vezes conseguimos observar todas as notas que algum cantor não entoa tão bem assim, mas somos incapazes de dar conta do quanto podemos ter falhas também.

Há algum tempo deixei de julgar o mérito dos cantores que ouço só pela afinação ou o timbre que possuem.  Procuro ter um olhar mais abrangente e sempre opto por dizer que tenho minhas preferências estéticas.

Claro que em minhas aulas o que deixo evidente são estas preferências, afinal preciso ser coerente com o que acredito.

E entendam que ninguém é dono de uma verdade absoluta. O conhecimento que procuro passar diz respeito a minha história de vida, minhas experiências, as conclusões que cheguei com meus estudos e pesquisas.

Costumo dizer para os meus alunos: “Vejam o que lhes servem e joguem o resto fora!

joga-fora

Então o que de fato é importante para ser um bom cantor?

Acredito que o mínimo que se espera de um bom cantor é que ele entoe notas com qualidade de afinação. É muito desagradável, mesmo para o leigo, ficar ouvindo notas pouco precisas o tempo todo.

E respondendo a pergunta acima: “Mesmo quem não canta uma nota dentro da afinação pode perceber sim a desafinação alheia.”

Conheço exímios pianistas que não entoam bem uma frase melódica, mas sabem exatamente quando a nota que o cantor emitiu não está correta.

A afinação dependerá além da percepção neurológica, cognitiva, também de outros fatores como um bom comando muscular vocal, por exemplo .

Sílvia Sobreira em seu livro “Desafinação Vocal”, afirma que este termo apesar de uso corrente entre profissionais e leigos, não é de fácil definição, devido ao fato de depender do contexto em que é usado, e que ele pode ser analisado sob o ponto de vista acústico e também cultural. Assim, são definidas como desafinadas aquelas pessoas que, apesar de conviverem com os padrões musicais comuns à nossa cultura, não conseguem reproduzir, vocalmente uma linha melódica, e cometem erros, entre os intervalos das notas, tornando-as diferentes do modelo sugerido.”

MODELO DE CLASSIFICAÇÃO DO INDIVÍDUO QUANTO A SUA DESENVOLTURA VOCAL:

Onde você se enquadra?

primate-460871_1920

·         Cantores monotônicos: apresentam o maior grau de dificuldade em conseguir a afinação vocal, em geral, apresentam também o monotonismo na voz falada. Não são capazes de reproduzir o som proposto, conseguindo apenas modificar a intensidade da nota. Em geral, não percebem que cantam diferente do modelo proposto;

·         Cantores desafinados: são capazes de seguir parcialmente o som proposto, gerando distorções na afinação de grau leve a severo, podendo ou não perceber que sua reprodução difere do modelo proposto e desconhecer a forma de corrigir seus desvios;

·         Cantores dependentes ou semitonados: tendem a desafinar, quando cantam sozinhos, mas são capazes de cantar satisfatoriamente se acompanhados por outra voz ou instrumento usado como guia;

·         Cantores independentes: é a maior parte das pessoas consideradas afinadas. Os indivíduos podem cometer alguns desvios na reprodução do modelo proposto, quando cantam “a capella”, ou seja, sem nenhum acompanhamento vocal ou instrumental, mas são aceitos dentro de um padrão de normalidade, por serem desafinações quase imperceptíveis.

Veja também: “Você já ouviu falar em Amusia?” Casos severos de desafinação vocal.

http://vozteoriaepratica.com.br/amusia/

A primeira gravação solo a  gente nunca esquece!

cd-673227_1920

Hoje sabemos que com os recursos que dispomos qualquer pessoa pode gravar um CD com uma boa qualidade, considerando que suas notas desafinadas podem ser corrigidas, sua falta de sincronismo rítmico pode ser melhorado e com alguns efeitos a voz pode soar muito melhor do que na realidade.

Confesso que diferente de alguns cantores ou mesmo professores de canto, não vejo o uso destes recursos tecnológicos de afinação como um problema. Eles estão aí para serem usados!

Trabalho há muitos anos com direção vocal em estúdio e observo que o processo de gravação de um CD pode servir como um excelente “laboratório” e trazer muito amadurecimento ao cantor.

Afinal de contas, por mais que seja possível “transformar” sua voz, ele ainda precisará cantar as canções algumas vezes para chegar num “take” possível de ser trabalhado.

A repetição de algumas partes da música pode ajudá-lo a melhorar muitas coisas, ainda mais se ele tiver esse olhar de fora, se tiver um bom diretor de voz para pontuar o que pode ser corrigido.

Muitas vezes depois de concluído o processo de gravação, o cantor, por ter a possibilidade de ouvir o que produziu, começa a ter maior consciência e percepção sobre o que gosta e o que não gosta em sua voz. A meu ver um excelente processo de aprendizado.

Como Posso Melhorar Minha Afinação?

Aqui vão nove práticas que costumo indicar como professora e que muito utilizei no meu processo de aprimoramento:

1.      Estude um instrumento musical. Não precisa ser um exímio instrumentista, mas o ideal é que consiga pelo menos se acompanhar em seus estudos.

violonista

2.      Faça cursos de teoria musical, que possibilitem o solfejo de notas, intervalos tonais, leitura de cifras e entendimento de escalas e tonalidades. Deixar de ser apenas um “canário” pode ser um diferencial.

estude-musica

3.      Se filme ou se grave quando cantar. Pode ser algo bem simples mas que possa te dar uma referência sobre sua emissão. Depois procure ouvir com cuidado para identificar o que gosta ou não em sua voz.

singer-340210_1920

4.      Se possível estude a linha melodia da música que deseja cantar tocando num instrumento para conferir todas as notas que tiver dúvida. Penso que usar um teclado para estudo facilita bastante o aprendizado da melodia e a afinação.

pianista

5.      Não cante forte demais! Além de fazer abuso vocal será um grande candidato a dar mais “notas na trave” o tempo todo. Aliás, quem disse que cantar forte é sinônimo de cantar bem?

menino-se-gravando

6.      Faça exercícios de canto, preferencialmente com um bom professor que possa auxiliar no entendimento dos intervalos tonais usados nos vocalizes. É bom para a “orelha” e também para toda musculatura vocal. Uma voz hipotônica não afina mesmo!

vocalize

7.      Desenvolva sua escuta! Aprenda primeiro a ouvir e só depois repita! Procure educar seu ouvido tocando e repetindo com a voz o que toca. Se tiver dúvidas grave e se ouça posteriormente. Você também pode tentar tirar a “segunda voz” da sua canção preferida. É um excelente treino de ouvido e percepção.

sound-159915_1280

8.      Procure cantar em grupos vocais ou em coros para desenvolver um ouvido mais harmônico.

people-40713_1280

9.   Foque na interpretação da canção que irá executar. Procure fazer a leitura do texto da canção procurando descobrir que emoções te trazem, e tente traze-las no momento do canto. Acredito que isto ajuda a fazer ajustes mais fisiológicos em toda musculatura vocal.

smiley-146399_1280

Enfim meus caros estudem sempre…

Acredito profundamente que toda canto é aprimorável, só depende de força de vontade e persistência.

Vivemos num mundo imediatista demais! Todo mundo quer aprender tudo a “toque de caixa” e esquece que existe um processo cognitivo e muscular que deve ser respeitado. Deve-se considerar sobretudo o tempo de aprendizado de cada um.

Ter o dom, na minha opinião, é apenas ter uma habilidade a mais. Excelente se ele veio no seu “pacote de nascimento”, se não veio, não fique apenas lamentando, desenvolva-o, construa seu conhecimento a partir de estudo e prática.

Tomando emprestado da filosofia popular: “O que não te desafia não te faz crescer.”  

Comentários

Comentários