Fisiologia da Voz

Muda Vocal: adolescência sem culpa

Muda Vocal: adolescência sem culpa

7 minutos   O processo de muda vocal é um assunto bastante discutido, com bibliografia extensa, por se tratar de algo extremamente natural ao desenvolvimento e amadurecimento do corpo. Ocorre durante a puberdade e pode ser observado em ambos os sexos, porém de forma mais acentuada nos meninos, que podem agravar a voz em até uma oitava, enquanto nas meninas em torno de 3 a 4 semitons. Conforme Behlau e Pontes (1993), na muda vocal o aparelho fonador sofre um amadurecimento constante, mas não Continue lendo

Registros vocais: Voz de peito? Voz de cabeça?

Registros vocais: Voz de peito? Voz de cabeça?

10 minutos Seria cômico se não fosse triste pensar o quanto se compartilham informações equivocadas nos nossos dias com toda a facilidade que a internet oferece. Toda vez que vejo alguém explicando a respeito de registros vocais e relacionando-os diretamente a regiões de ressonância, como a famosa frase: “Na voz de peito o som ressoa mais na cavidade torácica e na voz de cabeça o som ressoa na cabeça…”. No primeiro caso fico imaginando que em seguida farão a venda de próteses mamárias para Continue lendo

Músculos intrínsecos da laringe: Processo fonatório

Músculos intrínsecos da laringe: Processo fonatório

4 minutos Nos anos 90, quando atuava como cantora da noite, eu tinha a fama de ser uma cantora de “voz de peito” (registro pesado). Apesar de não entender bem na época o que isso realmente significava orgulhava-me disto. Afinal ouvia dizerem a mesma coisa da minha grande musa: Elis Regina. Quando iniciei meus estudos em fisiologia da voz, conheci o músculo “Tireoaritenóideo” ou “TA”, que tem dois feixes: TA externo e TA interno com a função de fechar e encurtar as pregas vocais Continue lendo

Por que estudar fisiologia da voz?

Por que estudar fisiologia da voz?

2 minutos O meu interesse por fisiologia da voz começou no início dos anos 2000 quando recebi o convite para dar aulas de canto popular no Conservatório de MPB de Curitiba. Até então era uma cantora com uma técnica intuitiva. Já considerava ter algum domínio sobre a voz pelo meu tempo de prática, afinal já atuava profissionalmente por quase vinte anos. No entanto ainda tinha pouquíssima experiência com técnica vocal. Por esse motivo era muito difícil para mim ter que ensinar o que eu Continue lendo