Respiração para o canto

Tempo de leitura: 2 minutos

respiração

“O cantor deve considerar que há muito mais na                                                             respiração do que apenas o ar inalado.” Nancy Zi

Nada como começar esse texto com a velha premissa de que “respirar é sinônimo de vida.”

Muito se fala sobre a necessidade de uma boa respiração para salvaguardar a saúde do corpo, pois é através da respiração que geramos energia que o alimenta. Supõe-se que um mau hábito respiratório possa comprometer o estado psicossomático do organismo humano.

Le Huche (1999) distingue três tipos respiratórios: o torácico superior (elevação e abaixamento do tórax), o torácico inferior (alargamento e estreitamento da base do tórax) e o abdominal (avanço e recuo da parede abdominal), que corresponde a três sistemas musculares distintos. Segundo o autor:

“O ato respiratório se dá de maneira variável de acordo com o temperamento do sujeito e sua disposição de movimento.

Se o espírito se encontra divagando tranquilamente, a respiração é do tipo torácico abdominal.

Se está ocupado com pensamentos excitantes ou emocionantes, a respiração evolui para o tipo torácico superior. Qualquer emoção eleva o tórax...”

Pinho (2001) fala em três modos respiratórios que equivalem à predominância respiratória escolhida em situações de repouso vocal: oral (não recomendada por propiciar o ressecamento laríngeo), nasal (ideal por aquecer, umidificar e filtrar o ar inalado) ou mista (nasal/bucal recomendada ao canto e fala, pois garante parte do ar tratado e facilita a tomada rápida de ar).

A instalação e automatização do padrão respiratório “costo diafragmático abdominal”, é sugerido pela mesma autora, como o mais recomendado para o condicionamento muscular e o manejo do sopro durante as variadas demandas vocais no canto, considerando benéfico o uso de exercícios de “dissociação” respiratória abdominal/costal (respiração dissociada) para sua adaptação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LE HUCHE, F.; ALLALI, A. A Voz: Anatomia e fisiologia dos órgãos da voz e fala vol. I, Artemed, Porto Alegre, 1999.

PINHO, S.M.R. Fundamentos em Fonoaudiologia – Tratando os Distúrbios da Voz. Ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1998.

ZI, N. A Arte de Respirar: Seis lições apara aprimorar o desempenho, a saúde e o bem-estar. Ed. Pensamento, São Paulo, 1997.

veja também:

Respiração Costo Diafragmática Abdominal

Comentários

Comentários