Voz: Minha visão pessoal e técnica

Tempo de leitura: 2 minutos

 

Visão Pessoal

ana-cascardo-voz-terapia-e-pratica

Posso dizer que nesses vários anos como cantora e professora de canto, me deparei muitas vezes com sentimentos de insegurança, sejam em mim ou em meus alunos. Sentimentos que estão diretamente associados a valores e crenças limitantes que trazemos desde a infância, como: “não sou bom o bastante para fazer isso”; “não estou preparado o suficiente”; “por mais que eu tente nunca vou conseguir”, “não nasci com o dom”, entre tantas outras crenças.

Aproveitando esse gancho sugiro uma reflexão: elabore uma lista de crenças limitantes que você mesmo já se impôs ao defrontar com alguma dificuldade. Eu tenho certeza de que vai se surpreender ao constatar o quanto já criou barreiras, sem antes mesmo começar um novo projeto.

Acredito que além do olhar técnico devemos estar alertas ao nosso emocional e como lidamos com as reações físicas que ele pode propiciar.

A auto observação no momento do estudo e sobretudo no palco é primordial para irmos criando uma maior consciência e controle dessas emoções.

Pois sempre seremos corpo e emoção o tempo todo, não há como dissociar isto. E que bom que é assim!

Quanto mais conhecermos o nosso todo, mas saberemos tirar proveito de cada sensação que surgir, mesmo que indesejada, e ter mais o domínio da situação durante nossa performance.

Visão Técnica

por Gilson Camargo
por Gilson Camargo

Não tenho dúvidas que o bom condicionamento técnico do cantor, serve como importante base sólida para lidar com todas essas cargas emocionais (tão inerentes ao ser) e aos sintomas físicos gerados por estas, que podem comprometer a desenvoltura da voz.

Acredito assim, que o “exercício do canto” deve ser uma prática diária e sobre tudo “consciente”, seja através de exercícios de controle respiratório, relaxamento e alongamentos (sempre observando tensões desnecessárias), exercícios de manutenção vocal (sem necessariamente a intenção de aquecimento) ou mesmo cantando suas canções preferidas, com o intuito de desenvolver sua propriocepção, seu autoconhecimento, procurando identificar suas reais dificuldades e limitações, dando-se a possibilidade de corrigi-las.

Simples assim? Nem tanto! Mas tenho certeza de que a recompensa vale todo o esforço realizado!

Veja também:

http://vozteoriaepratica.com.br/voz-e-emocao-sob-outros-olhares/

Comentários

Comentários